Vigilância na rede e a quebra da neutralidade

Não há novidades neste post. Como previsto, o Projeto de Lei do senador Azeredo (PLS 76/2000)encontrou ampla simpatia dos deputados na Câmara Federal, tanto que o PLS 76/2000 entrará na pauta da Câmara em caráter de urgência.

Traduzindo: o projeto irá pular as audiências públicas e não passará pelas comissões de Ciência, Tecnologia e Informática e Constituição e Justiça. Todas as lideranças partidárias apoiaram a ação. Desta forma, entra na Câmara direto para votação. Vale ressaltar que os deputados não poderão fazer novas modificações ao projeto.

A boa notícia é que a petição contrária ao PL já ultrapassou a casa das 60 mil assinaturas. Para assinar

Que Lula nos salve…

Porém, censura e projetos esquizofrênicos não são privilégio do Brasil. No Irã, o parlamento que impor pena de morte aos blogueiros que servirem a corrupção, pornografia e ateísmo (pelo menos foram mais claros que o projeto do Azeredo) com a estúpida justificativa de proteção a segurança mental da sociedade.

Menos drástica, a Associação da Indústria da Internet e o governo da Austrália criaram um código de conduta que irá classificar o conteúdo publicado na internet. Com a medida, todo o conteúdo não recomendado a menores de 15 anos deverá ser classificado de acordo com o código, algo semelhante ao que acontece na tv brasileira.

Em xeque a neutralidade da rede mundial de computadores

Blogar é uma profissão, sim!

Há um tempo atrás o amigo Thalles Waichert levantou o debate: Blogar…uma profissão? A minha tese: sim, blogar é uma profissão, desde que o blogueiro se proponha a isso e utilize seu blog como ferramenta para geração de $$$.

Penso que profissão é toda atividade que envolve um conjunto de “saberes” realizada em determinado período e que resulte em renda para este que a desenvolve. Levantei outros aspectos que podem ser lidos aqui.

Lembrei dessa história toda após a “twitada” do Juliano Spyer sobre a vaga de trabalho ofertada pela KNOWTEC para blogueiro, o que ratifica a minha tese.

Leiam o que diz o texto:

Vagas abertas:

Blogueiros

Você vive a internet por dentro?

O seu texto mobiliza outras pessoas? Então queremos conhecer o seu trabalho. Conta pontos positivos você estar familiarizado com redes sociais (Orkut, MySpace, Facebook) e participar ativamente de sites como Flickr, Del.icio.us, YouTube e Twitter.

Para os coleguinhas de profissão, que tevem estar “tremendo de medo” com a notícia e, certamentente, pensando que os blogueiros vão tomar seus empregos recomendo um artigo que escrevi sobre quais ferramentas/conhecimentos devem ser incorporados ao habitus jornalístico para obter “sucesso” na web.

O que os blogueiros acessam na web?

Pesquisa da comScore revela que blogueiros dos Estados Unidos acessam duas vezes mais conteúdo digital jornalístico (destaque para as notícias sobre política) e/ou entretenimento do que a média dos internautas norte-americano. O resultado é bem lógico, mas a novidade do estudo fora apresentar o que tais blogueiros lêem:

O site mais consumido – excluindo os blogs – é o Digg.com . Em seguida, estão o site de celebridades Perezhilton.com – 3,2 vezes mais usado pelos leitores frequentes de blogs – e CTVGlobeMedia, com 3,1 vezes mais acessos pelos usuários ativos de blogs.

Isso me fez pensar no conceito “circulação circular da informação” de Pierre Bourdieu, que em síntese, revela que para os jornalistas a leitura dos jornais é uma atividade indispensável e o clipping um instrumento de trabalho: para saber o que se vai dizer é preciso saber o que os outros disseram. Esse é um dos mecanismos pelos quais se gera a homogeneidade dos produtos propostos.

Acrescento a tese de Bourdieu, que o acompanhamento das “tags do momento”, tendo em vista atrair “para-quedistas” é uma preocupação diária de alguns blogueiros, principalmente aqueles que ganham $$$ com seus blogs. Por isso que o Digg figura no topo. Enquanto os jornalistas se preocupam em não perder notícias (por isso a clipagem e a leitura de outros jornais) os blogueiros não querem perder visitantes, por isso monitorar os hypes é essencial. O problema dessa circulação circular da informação, segundo Bourdieu produz uma “espécie de jogos de espelhos refletindo-se mutuamente produz um formidável efeito de barreira de fechamento mental”.

O campo jornalístico fora alargado com a internet, não restam dúvidas. Porém, as rupturas foram poucas, ou seja a liberação do pólo emissor potencializou novas vozes, mas já os discursos…

La gran guía de los blogs

blogs.png

Mais uma boa dica para “pensar”a blogosfera/blogs/blogueiros. Trata-se do LA GRAN GUÍA DE LOS BLOGS (em espanhol), obra que busca analisar o fenômeno blog, seja no aspecto conversacional, aponta desafios e oportunidades e conta ainda com algumas previsões sobre a blogosfera.

O download é gratuito e aposta na genero$idade dos leitores, bem como no trabalho “formiguinha” para divulgação do livro. Compartilhar conteúdo é fundamental, logo o herdeirodocaos participa desta campanha adicionando o selo da campanha a esquerda deste blog.

<<Maiores informações sobre o livro>>

Quem tem medo da blogosfera?

crrw4.jpg
Lembram daquela história da chapeuzinho-vermelho? A mãe manda-a levar doces para a vovozinha indicando-lhe o caminho a seguir, caso contrário, o terrível lobo que andava solto no bosque, poderia devorar a pobre menina.
O viés dessa história é mostrar as crianças o quanto é importante obedecerem seus pais, pois eles sabem o caminho certo (nem sempre isso acontece, de fato). Chapeuzinho não deu ouvidos a sua mãe (aliás, o que aconteceu com o pai da menina?) e deu no que deu. Graças ao admirável caçador (ou lenhador?) a vovó e a netinha foram salvas.

Lembrei de tal conto ao ler a notícia de que o Comitê Olímpico Internacional (COI) permitirá aos atletas manterem blogs durante as próximas Olimpíadas, que será realizada na China. Fato inédito na história dos Jogos Olímpicos.

Porém, como o caminho correto indicado pela mãe à chapeuzinho, os atletas poderão apenas comentar suas experiências pessoais nas Olimpíadas. Os atletas-blogueiros estão proibidos de:
– divulgar material visual ou de áudio referentes ao evento esportivo ou de divulgar material confidencial relativo a terceiros.
– podem postar somente fotos tiradas fora das áreas reservadas e fotos próprias tiradas dentro dessas áreas que não contenham qualquer imagem das competições.
– não estão permitidos acordos com qualquer empresa e muito menos publicidade nos blogs, disse o COI, ressaltando que eles precisam aderir ao espírito olímpico e serem “honrados e de bom gosto”.

Por fim, na concepção do COI, blogs servem como uma forma de manifestação pessoal e não como uma forma de jornalismo.

Existe mecanismo mais eficiente de censura do que essas medidas adotadas?

Os blogs estão liberados, mas blogar não. E como oferecer banana a macaco e lhe dar apenas a casca. Os blogs materializam a liberdade do pólo emissor promovida pela internet, onde o leitor rompe a inércia da recepção e torna-se agente ativo no fluxo comunicacional, promovendo assim, a multivocalidade na web. A metáfora aqui é a rede. O conhecimento valoriza a sabedoria das multidões e a produção coletiva de conteúdos.

Cabe lembrar também ao COI, que blogs são espaços de sociabilidade e extensão do “eu” no ciberespaço. O blog enquanto programa (WordPress, Blogspot) não tem apenas a finalidade de publicar texto, pode ser usado para ganhar $$$, para as empresas manterem o diálogo com seus clientes. O blog como espaço potencializa as relações sociais e o diálogo entre as pessoas.

A postura do COI revela que nem mesmo a liberdade, direito essencial do capitalismo, tem valor quando o que está em jogo é $$$. Isso mesmo, restringindo os atletas-blogueiros a comentarem o mundo além da janela do hotel, busca-se preservar o direito único e exclusivo dos mass media na cobertura das Olimpíadas de Pequim. Desse modo, o que era para ser a celebração dos povos, repleto de paz e harmonia continuará um espetáculo midiático-privado e, pior, com censura prévia.

*Texto originalmente publicado no O Pensador Selvagem.

Blogar…uma profissão?

O amigo Thalles Waichert propõe um “meme” questionando se blogar é uma profissão. Além do convite a este que vos fala, Waichert (como será que se pronuncia?) fez a mesma pergunta Ana Brambilla e Nospheratt.

Ao estilo socrático: o que é profissão? Ou quais as características inerentes a um profissional?

Penso que profissão é toda atividade que envolve um conjunto de “saberes” realizada em determinado período e que resulte em renda para este que a desenvolve. Com isso quero afirmar que blogar é uma profissão, desde que o blogueiro se proponha a isso e utilize seu blog como ferramenta para geração de $$$.

Pensemos, por exemplo, nos camelôs. A maioria não possui uma formação acadêmica e nem as Universidades ensinam como ser camelô. Entretanto, os trabalhadores informais, no exercício da sua labuta utilizam o “saberes” do marketing (a melhor forma e estratégia para vender o produto), da economia (custo x benefício, investimento x lucro, e por aí vai), administração (controle de estoque, escolha dos fornecedores), além de verdadeiros maratonistas quando a rappa (fiscalização estatal) chega. Apenas uma piada.

Contudo, não é o fato de usarem tais saberes que podemos dizer que o camelô é marketeiro, economista ou administrador. Assim como, não é pelo fato de blogueiros produzirem conteúdo que se tornam jornalistas. Para obter tais status/títulos nas referidas profissões, e é bom deixar isso claro, urge o passaporte para ingresso no campo social: o diploma e/ou registro profissional. Ou seja, não basta saber fazer, é preciso ter uma autorização para fazer.

Ah! Então que dizer que para ser um profissional é preciso ter um registro ou diploma? Não, claro que não, pelo menos para ser camelô ou blogueiro. Qualquer um pode montar seu negócio na rua. Da mesma forma, qualquer um pode criar um blog. Sim, Yuri, mas qual o preparo para ser um blogueiro ou um camelô? Vários, vide os saberes para o sucesso de um camelô. Mas, no momento em que afirmamos que para torna-se um profissional é preciso ter preparo, ou seja, formação escolar, assumimos um discurso que aposta no controle e avaliação tanto das Ordens de Classe (OAB, CREMEB) como na fiscalização pelo governo (Ministério do Trabalho, Delegacias Regionais do Trabalho, entre outros) da atividade profissional. E nem toda profissão precisa de tal controle. Outro exemplo: quem julga o desempenho (positivo ou negativo) de uma profissional do sexo são os seus clientes. A mesma regra vale para o camelô e para o blogueiro, que é avaliado por seus leitores. São eles que decidem se um blog é bom ou não.

Para mim, a grande discussão que está em jogo nesse papo jornalistas versus blogueiro são os mecanismos (leia-se diploma e registros) que controlam o acesso aos campos sociais profissionais. Quem sabe renda um novo “meme”….

A liberação do pólo emissor alargou o campo informativo. Com isso, leitores rompem a inércia da recepção e tornam-se agentes ativos na elaboração de conteúdo. Na internet, os sujeitos podem não apenas publicar, mas também lucrar com os seus posts. Mas para isso, o blogueiro precisa dominar alguns saberes. A escrita, sem dúvida é um deles, embora não seja o principal.

O cabra (blogueiro) precisa entender o ciberespaço e as novas tecnologias de informação e comunicação, assim como preparar um bom produto, seja texto, layout, debates, enfim. O blogueiro precisa entender o pagerank, o gráficos de visitações, o que está bombando nos buscadores e, talvez seja a fórmula mágica: o relacionamento/diálogo com a audiência, isso porque os blog são, antes de tudo, espaços de sociabilidade.

Por fim, não acredito que blogar será uma profissão regulamentada por lei e muito menos haverá um Conselho Federal de Blogueiros, Ordem dos Blogueiros e afins. Mas que tem gente ganhando a vida, no gerúndio com blog tem.

Para aumentar a corrente de debate sobre a temática repasso o “meme” para:

Rafael Reinehr

Bruno Cardoso

Alexandre Inagaki 

Mapa de blogueiros baianos ou na Bahia

Após o mapa de jornalistas blogueiros e mapa de blogs em português resolvi criar um mapa (Bahia Blogs) para reunir blogueiros baianos ou que estão na Bahia, como é o meu caso.

Para indexar/marcar o blog no mapa basta pesquisar o CEP, endereço, ponto de referência. Depois clique em ‘Save to my maps’ na caixa que vai aparecer, selecione Bahia Blogs no menu dessa caixa e clique em ‘Save’. Agora resta editar seu perfil, clicando no ponto marcado no mapa.

bahiablog.jpg

O debate sobre blogs vem crescendo no gerúndio por aqui, vide os membros da lista Blogs-Ba que já realizaram alguns encontros para discutirem a blogosfera e afins. A lista é aberta. Participe dos debates.

Abaixo a lista (em desenvolvimento) de blogueiros baianos ou na Bahia: