Monitoramento e vigilância no celular

A utilização de câmeras de vigilância para minimizar a violência está na pauta do dia. O debate eleitoral em Salvador tem como uma das principais discussões o uso destas câmeras no enfrentamento da insegurança.

Matéria do A Tarde (versão impressa) aborda a tecnologia (MobVision) que permite visualizar, através do celular e internet, as imagens captadas pelo circuito fechado de televisão (CFTV).

De acordo com a reportagem, o sistema funciona em todo o Brasil e em qualquer aparelho e operadora, desde que tenha acesso à internet por GPRS ou 3G e um console Java instalado.

O gráfico abaixo explica a funcionalidade do sistema:

mobvision

Anúncios

Vigilância na rede e a quebra da neutralidade

Não há novidades neste post. Como previsto, o Projeto de Lei do senador Azeredo (PLS 76/2000)encontrou ampla simpatia dos deputados na Câmara Federal, tanto que o PLS 76/2000 entrará na pauta da Câmara em caráter de urgência.

Traduzindo: o projeto irá pular as audiências públicas e não passará pelas comissões de Ciência, Tecnologia e Informática e Constituição e Justiça. Todas as lideranças partidárias apoiaram a ação. Desta forma, entra na Câmara direto para votação. Vale ressaltar que os deputados não poderão fazer novas modificações ao projeto.

A boa notícia é que a petição contrária ao PL já ultrapassou a casa das 60 mil assinaturas. Para assinar

Que Lula nos salve…

Porém, censura e projetos esquizofrênicos não são privilégio do Brasil. No Irã, o parlamento que impor pena de morte aos blogueiros que servirem a corrupção, pornografia e ateísmo (pelo menos foram mais claros que o projeto do Azeredo) com a estúpida justificativa de proteção a segurança mental da sociedade.

Menos drástica, a Associação da Indústria da Internet e o governo da Austrália criaram um código de conduta que irá classificar o conteúdo publicado na internet. Com a medida, todo o conteúdo não recomendado a menores de 15 anos deverá ser classificado de acordo com o código, algo semelhante ao que acontece na tv brasileira.

Em xeque a neutralidade da rede mundial de computadores

Grande Firewall da China, Golden Shield e a (bobagem) blogagem inédita

Matéria do IDG Now explica como funciona o Grande Firewall da China, sistema usado pelo governo chinês para monitorar as atividades desenvolvidas pelos usuários chineses. É impossível se controlar/censurar a web, apesar da China ter conseguido vigiar e punir os rebeldes. Um novo software, um novo processo, a criatividade sempre irá surgir, como mostra a reportagem e burlar o controle. Entretanto, a intimidação dessa parafernália tecnológica causa um impacto na sociedade, que reconhece o limite da sua liberdade de expressão/pensamento.

Na China acontece algo brutal, uma soma da cultura do medo (Marcuse) + sistema de vigilância. Mas, a resistência no Tibet demonstra que esperança existe, mesmo com o Grande Firewall, principalmente porque a própria rede se mobiliza, encontra brechas, produz conteúdo, registra a tortura, potencializa o debate. A experiência colaborativa em curso no Tibet, sim, compõe uma (bobagem) blogagem inédita, ao contrário da brincadeirinha narcisista que alguns blogueiros fizeram ontem no Brasil.

Leia alguns trechos da matéria:

“A base está no “Golden Shield”, investimento de cerca de 700 milhões de dólares organizado entre diversos ministérios e agências reguladoras da China que emprega firewalls e gateways para filtrar conteúdo impróprio, bloquear serviços que descumpram leis ou apagar blogs (e levar seus responsáveis pela cadeia) que critiquem a atual administração.

“(…)a China monitora todo o tráfego trocado entre usuários dentro do país ou os estrangeiros que buscam dados em páginas locais”.

“O mais usado, junta problemas de DNS com a incapacidade de conexão, impede uma conexão entre o browser responsável pela requisição e o servidor do site, alegando que determinado IP (correspondente a um site bloqueado) não existe”.

“Há também a filtragem de palavras dentro do domínio, o que impede o acesso a sites cuja URL tenha termos considerados ofensivos, e a filtragem ativa de conteúdos – método mais efetivo usado pelo “Golden Shield”.”

Carnaval High Tech

A cidade de Salvador está dominada pelo carnaval. Mesmo morando a “trilhares” de km do centro da festa, a vida será afetada durante o período carnavalesco. Como parece ser impossível não falar do carnaval, cabe registrar como as novas tecnologias serão utilizadas pelo poder público no que tange a integração da comunicação (base de dados) e a vigilância que será realizada pela polícia como medida de segurança.

Primeiro. O governo investiu em rede Wi-Fi para facilitar a atividade da Polícia Militar. São 60 pontos de acesso disponíveis para que os militares acessem os bancos de dados (como antecedentes criminais e informações disponibilizadas pela Infoseg, rede nacional que integra dados de todas as polícias do Brasil) e os dados, em tempo real, sobre violência, acidentes no trânsito entre outros. Serão 400 computadores plugados na rede. Antes, o acesso a tais dados era efetuado por rádio, entre os policiais e o centro da PM, em uma estrutura centralizada e de fluxo único comunicacional.

E não é apenas o caráter descentralizado, possível com a rede Wi-Fi, que seduziu o poder estatal, mas também a economia, tendo em vista que muitos dos 60 pontos montados são retirados após o encerramento do carnaval, portanto o investimento em cabos para conexão é inviável.

Resta saber se a rede Wi-Fi continuará após a quarta-feira de cinzas, data que marca o encerramento da festa.

Se você está em Salvador ou ainda vai chegar para festa, veja os locais que contam com rede sem fio para conexão à internet. O mapeamento dos hotspots na capital baiana fora realizado pelo Grupo de Pesquisa em Cibercidade, da Faculdade de Comunicação da Ufba.

A segunda medida diz respeito ao monitoramento dos foliões, tendo em vista vigiar os crimes durante o carnaval. De acordo com a Agecom – Assessoria Geral de Comunicação Social do Governo do Estado da Bahia, os circuitos oficiais do Carnaval de Salvador (Dodô, Osmar e Batatinha) serão monitoradas em tempo real pelo Centro Integrado de Informações – Carnaval 2008 (CI/2008).

Foram instaladas 106 câmeras (as câmeras chegam a ter um alcance de 600 metros, com boa definição, informação da Secretaria de Segurança Pública) e criado um canal eletrônico que vai alimentar o CI/2008, que contará ainda com sistema de GPS e ações conjuntas da Polícia, Juizado de Menores, Prefeitura Municipal e Governo Estadual.

Os rádios de comunicação da PM foram equipados com o GPS para facilitar a mobilidade dos militares na caça aos criminosos.

<Assista o vídeo com mais informações>

Por fim, e a terceira inovação do atual governo, foi criar mecanismos de divulgação mais transparente das ocorrências policiais para imprensa, que poderão ser acessado pelo site www.carnaval2008.ssp.ba.gov.br ou pelo telefone (71) 3116-7825.

Em tempo, a TVE, tevê estatal, transmite ao vivo pela internet o carnaval de Salvador.

Texto originalmente publicado no O Pensador Selvagem.

Sp, vigilância, enchentes e emergências

 olho024.jpg

Da série vigilância e monitoramento, matéria do INFO Online sinaliza que a prefeitura de São Paulo desenvolveu sistema de monitoramento sobre enchentes e emergências na cidade, o CCOI – Centro de Controle Integrado de emergências.

As informações serão coletadas por câmeras de monitoramento de trânsito, sensores de chuva e dados coletados por funcionários da prefeitura em deslocamentos pela cidade, que utilizarão 94 palmtops com conexão à internet via rede GSM para a coleta de dados. Esses dados irão integrar uma única base de dados com informações úteis para as ações emergenciais.