80 claves sobre el futuro del periodismo

Em seu livro 80 claves sobre el futuro del periodismo (2012), José Luis Orihuela, destaca aspectos essenciais para entender os desafios e oportunidades para o ciberjornalismo. A primeira questão tratada pelo autor diz respeito a uma falsa dicotomia entre os novos e velhos atores do jornalismo.

“Uma premissa falsa que garantiza el eterno retorno del cruce de recriminaciones entre nuevos y viejos actores del periodismo, la perpetuación de uma falsa dicotomia que ve como mutuamente excluyentes a los ‘frustrados con los periodistas’ – actores mediáticos de fuera de las redaciones que utilizan las nuevas tecnologias para comentar la actualidad que generan los viejos y nuevos médios – y a los ‘periodistas frustrados´ – profesionales del oficio de la información que resisten en unas redacciones jibarizadas por la crisis de modelo”.

Neste cenário, onde há uma crescente volume de informação na Web, Orihuela, diz a que importância dos jornalistas é ainda maior, pois é preciso produzir, selecionar, contextualizar, distribuir de modo mais adequado para servir de forma eficiente a sociedade. “Por uma parte, la red es um fabuloso mecanismo de desintermediación, pero por outra parte es también um entorno generador de nuevos intermediários” (pg. 49)

Um exemplo desses “novos intermediários” é a filtragem e recomendação que os usuários fazem com o uso das mídias sociais, pois não basta a mera acumulação de informação, mas um sim uma grande necessidade de hierarquização e estabelecimento de prioridades

“Los processos de jerarquización informativa y establecimiento de agenda están evolucionando de forma cada vez más evidente desde el modelo centralizado articulado em torno a los médios y a sus editores, hacia un modelo descentralizado, basado en las redes, la inteligência colectiva, las tendências globales y el filtrado social” (pg. 164)

Em uma época onde o jornalismo está em constante modificação “no son los más grande ni los más flertes los que sobreviven, sino los que pueden cambiar más rápido” (pg. 19). Uma dessas mudanças diz respeito a arquitetura da notícia, que na opinião de Orihuela deve ser contínua.

“Tratar a cada artículo o noticia como uma ‘ unidad atómica de consumo online’ consiste en dotar a cada pieza informativa de la autonomia, actualización y contexto suficiente como para que pueda ser compreendida y valorada por el usuário que acede desde un enlance en otro sitio o desde uma búsqueda” (pg. 50)

Outra questão que o autor discute, relacionada a arquitetura da notícia, diz respeito a navegação nos sites jornalísticos. Até então a estrutura é baseada em editorias fixas, porém Orihuela aponta para uma organização do conteúdo a partir das tags. “Las etiquetas (tags) permiten una organización de la información basada en la actualidad y en los interesses de los usuários” (pg. 112)

Por fim, ao analisar “los médios del futuro” e propor cinco pontos para pensar o futuro dos meios de comunicação, a ubiquidade foi a “chave” que julgo de mais valia, a saber:

“Los médios del futuro estarán allí donde estén sus usuários. El tempo de los médios dejará de ser la periodicidade regular y será el tempo real, que es el tempo vital de los usuários. Mientras se discute acerca de si las redacciones deben ser o no ser convergentes, la evolución de las tecnologías personales de acceso a la información pone de manifiesto que, em cualquier caso, los médios están abocados a ser multiplataforma” (pg. 188)

Anúncios

Quando a capa da revista Época virou game…

A revista Época estampou em sua capa desta semana o Space Invader para ilustrar a reportagem “Os hackers invadem o Brasil”. Para além dos erros jornalísticos da matéria, a capa (enquanto ilustração e recurso multimídia) é fantástica, pois permite aos leitores “defender Brasília dos hackers”.

Neste post é explicado o processo de construção da capa e ao clicar na imagem acima é possível jogar Space Invader.

 

 

 

Palestra da Lígia Braslauskas em Salvador

Quase que a chuva atrapalhou a minha chegada na palestra da Lígia Braslauskas, editora de Jornalismo On line da Folha de São Paulo, realizada hoje de manhã na FTC, em Salvador.

O foco da palestra fora o processo de implantação do sistema digital na Folha e a coleta/atualização das informações na versão online e impressa, passando por formação acadêmica, interação com os leitores, estrutura da redação e afins.

Fiz a cobertura do evento via twitter (aqui também), onde você poderá entender as principais teses da Braslauskas e o debate que aconteceu por lá.

Destaco o (rápido) bate-papo que tive com a editora da Folha de São Paulo em sua versão online sobre jornalismo colaborativo. Na opinião dela, a proposta open source é interessante para a construção da notícia, mas não em sua totalidade, apenas em algumas etapas, como sugerir uma pauta e/ou comentar uma matéria.

Braslauskas disse-me ainda que a Folha de São Paulo Online não pensa em potencializar a colaboração em sua home. Continuarão com o tímido espaço do envie sua foto/texto.

Comentei que tratava-se de uma tendência mundial e usei até a frase do Gillmor que acredita impossível fazer jornalismo sem a colaboração do público e que a “abertura” possibilita um produto final com mais qualidade. Ela acredita que experiências open source journalism sofrem de credibilidade, preocupação natural dos jornalistas, e que discordo muito. Penso que é uma questão mais relacional.

Acho que existe uma questão de mercado também nesta postura da Folha. Quando falamos das experiências brasileiras, a editora da FSP justificou que o IG e o G1, por exemplo, são portais, já o Estadão,concorrente direto e a revista Veja ainda não adotaram tal concepção colaborativa.

A Tarde: Gerente de Internet explica mudanças no jornal

O lançamento do novo site do A Tarde rendeu um bom debate neste blog e ramificou-se pelo twitter. O Fernando Severino, Gerente de Internet do Grupo A TARDE apareceu por aqui e comentou as mudanças no jornal. Aproveitei e conversei (por e-mail) com o Fernando Severino sobre alguns detalhes do projeto e as perspectivas de A Tarde. Acompanhe abaixo:

Por que o A Tarde resolveu mudar sua home?

Na verdade a mudança não foi só na home, foi no site inteiro. Pesquisamos constantemente as tendências mundiais em termos de jornalismo digital e acumulamos ao longo de um período uma série de features e inovações que vão surgindo, assim como monitoramos o comportamento do consumidor digital de informações e principalmente analisamos a evolução desse comportamento. Chega um momento em que olhamos para o site atual (o antigo) e percebemos que ele já não reflete de forma plena os anseios dos internautas, esse é o sinal para a mudança. Foi por esta razão que fizemos a mudança.

Quais os principais obstáculos enfrentados para o lançamento do novo site?

Chamaria mais de desafios do que obstáculos, porque desde o início toda a empresa sabia da importância dessa mudança, e deu todas as condições necessária para que fizéssemos um trabalho bem planejado e integrado. O principal desafio foi sem dúvida a adequação da estrutura de RH para cumprir com nova proposta editorial. Foi necessário contratar, treinar e deslocar profissionais, modificar o fluxo de trabalho, envolver e integrar os demais veículos, criar do zero uma equipe de produção audiovisual, reestruturar os fluxos de produção, redefinir os papéis dos editores, enfim foi uma grande mudança.

Quanto foi gasto no projeto e quais ações foram desenvolvidas para capacitar a redação? Houverão novas contratações? Qual o perfil dos profissionais que estão trabalhando no Atol (A Tarde On Line)?

O projeto inteiro custou cerca de R$50.000,00, entre desenvolvimento, layout e adequação tecnológica, tivemos ainda uma outra soma semelhante para a criação da WebTV, que tratamos internamente como um projeto a parte, porém integrado. Quanto as novas contratações, estamos numa fase de acompanhamento da transição, em breve saberemos se existe a necessidade de mais profissionais. Quanto ao perfil, estou entendendo que se refira aos jornalistas, o perfil destes profissionais deve ser altamente flexível e adaptável as novas propostas tecnológicas e editorias, ser multimídia e saber aproveitar ao máximo as funcionalidades da web 2.0 para produzir um material editorial mais rico, compatível com as possibilidades da web.

Áudios, vídeos, infografias, fotos, coberturas temáticas foram inseridas no site, mas de formas isoladas. A Tarde pensa em criar narrativas multimidiáticas, que englobe os diversos formatos na construção da notícia?

Claro, esta é a idéia da plataforma desenvolvida( CMS ). Como escrevi anteriormente, estamos num momento de transição. Já existem algumas iniciativas nesse sentido, e com tempo estaremos produzindo com mais riqueza. É importante reconhecer no entanto que a produção multimídia exige um esforço muito grande de produção e leva tempo, o que muitas vezes é incompatível com o tempo de resposta de um periódico, neles a notícia se desgasta muito rápido, não permitindo muitas vezes uma produção mais elaborada por comprometer o tempo da notícia. Este tipo de produção se torna mais viável para as revistas ou sites que exploram o “soft news”.

Algumas experiências colaborativas já foram desenvolvidas por A Tarde buscando aproximar/permitir que os usuários construam/colaborem na produção de conteúdo, mas sem muito êxito. Que estratégias serão adotadas para potencializar a colaboração dos leitores de A Tarde?

Não diria que tivemos pouco êxito. Costumo destacar que o nosso internauta ainda não é 2.0 e sim uma espécie de 1.5. Tivemos esta certeza quando fizemos o teste de usabilidade deste site com diversos grupos focais de perfis completamente diferentes. Nossa proposta inicial foi muito mais radical em termos de colaboração, só que percebemos que uma número muito pequeno de pessoas utilizavam os recurso, quiça sabiam o que eram ou para que serviam. Esta maturidade de navegação ainda não chegou ao Brasil, por mais que tenhamos grandes número de participação no Orkut, fica só nisso mesmo. Um universo muito pequeno de internautas utilizava para valer os conceitos de colaboração nos nossos testes, a grande maioria nos disse que esperava de um portal de notícias muitas chamadas na home para que elas podussem saber de forma absolutamente generalizada o que está acontecendo, adotando um fluxo de navegação do tipo home-notícia-home-notícia-home-tchau. Isso foi um verdadeiro banho de água fria na nossa equipe de desenvolvimento de produtos web, percebemos que estávamos fazendo um portal baseado nas nossas experiências de navegação na web e não estávamos considerando os “later adopters” que são a grande maioria da curva dos consumidores. Foi um grande aprendizado. Vamos, portanto, evoluir o portal na mesma velocidade dos nossos internautas, provocando sistemática e periodicamente a colaboração e analisando as respostas obtidas, para sabermos se podemos ou não avançar para a próxima fase.

Na Europa, alguns jornais criaram mecanismo de diálogo/monitoramento da blogosfera local. O Público (Portugal) criou uma lista dos trackback dos blogs que comentaram as notícias do jornal. O La Vanguardia criou um sistema parecido.  A Tarde irá desenvolver alguma relação com a blogosfera baiana/nacional?

Estamos engatinhando no conceito de blogs ainda, neste momento estamos apenas mapeando os blogs que nos interessam tematicamente para incluirmos no portal.

Por falar em blogs, eles parecem mais colunas, sem falar que todos os blogs do A Tarde possuem o mesmo layout, sem atualização, links para outros blogs (apenas dos jornais)…Haverão mudanças?

Logo, logo, é a pauta mais imediata. Tivemos que optar por lançar ou trabalhar mais. Preferimos adotar a estratégia Google de lançar e ir melhorando aos poucos.

Em relação aos microblogs, que é o grande boom, o A Tarde pensa em utilizar tais ferramentas na veiculação/produção de conteúdo?

Estamos atentos a isso. Já queríamos ter utilizado nas sabatinas com os candidatos a prefeito( que está sendo um grande sucesso, diga-se de passagem ) mas o regulamento não previa isso, então tivemos que postergar um pouco.

Quais as próximas inovações de A Tarde?

Lançaremos em breve a nova versão do classificados on line, que comercialmente é um projeto estratégico para a empresa, em paralelo estamos reformulando os canais de pós-graduação, cinema e turismo, além de algumas iniciativas sazonais com o canal Verão.

Lígia Braslauskas fará palestra em Salvador

O processo de implantação do sistema digital na Folha e a coleta/atualização das informações na versão online e impressa. Parceria com o Uol, entre outros, serão os assuntos abordados pela editora de jornalismo online da Folha de São Paulo, Lígia Braslauskas.

A palestra é promovida pela FTC Salvador (veja no mapa) e será realizada no dia 20 (sábado), das 9h às 13h, no auditório (Astor Pessoa) da instituição, no módulo 4, nível 5 – Av. Paralela. Entrada gratuita.

O futuro da Veja

Este post não faz muito sentido. Afinal é certo que os meios impressos terão outra “cara” no futuro e outros trocaram o papel por outro suporte.

Talvez a utilidade deste post seja em informar que o presidente da Editora Abril e fundador de Veja, Roberto Civita acredita que a Veja não estará mais no papel daqui a 40 anos. Ele acredita também que a revista não é nem de esquerda e nem de direito, mas de centro.

De acordo com matéria do Comunique-se, Civita explica que a revista ficará concentrada na edição online, mas a informação “filtrada e organizada”, com “análises inteligentes”, não deixará de existir.

Mas aí, vem o questionamento: para continuar existindo daqui a 40 é preciso de um planejamento a médio-longo prazo.

Na última pesquisa do Meio&Mensagem, a revista Veja registrou queda de 0,58% em sua circulação, principalmente em 6,18% em São Paulo e 6,13% no Rio, curiosamente nas cidades com maior participação na fatia de acesso à internet. Este é o presente.

O discurso do Civita deixa claro que a revista mudará apenas o suporte para sobreviver na indústria de informação. Será que daqui a 40 anos teremos a mesma mentalidade e/ou o perfil de leitor será o mesmo? Planejar o futuro de um jornal não deveria lever em conta tais elementos?

Javier Noci ministrará curso em Salvador

“Narratividade e Pesquisa de Análise de Mensagem no Jornalismo Online” será a temática explorada pelo professor Dr. Javier Diaz Noci (Universidad Del País Vasco – Espanha), de 01 a 05 de setembro de 2008, das 15 às 18h, no Auditório da Faculdade de Comunicação – UFBA.

O curso, que será gratuito tem como objetivo:

a) abrir discussões em torno das tendências do jornalismo contemporâneo, especialmente no que diz respeito às formas de narratividade em uso e emergentes;

b) tomar contato com a visão de um pesquisador de ponta na área;

c) atualizar profissionais quanto às tendências do jornalismo online e seus cenários futuros.

O professor Noci esteve aqui em Salvador no ano passado. Estive por lá e fiz a cobertura da palestra.