Ciranda de Texto: Mercado de Trabalho

ciranda.gif

Este post integra a segunda edição do Ciranda de Texto, versão brasileira do Carnival of Journalism, projeto que consiste em reunir textos articulados por diversos blogueiros acerca de um tema pré-definido. O tema deste mês é Mercado de Trabalho e o Pedro Penido será o responsável pelo Guia de Leitura (disponível aqui) que consiste em um resumo de cada texto e um link para o endereço onde ele se encontra.

Três pontos para o ciberjornalismo

Semana passada fui questionado por um amigo jornalista, do tempo da máquina de escrever, sobre quais ferramentas/conhecimentos devem ser incorporados ao habitus jornalístico para obter “sucesso” na web.
Penso que a tarefa revolucionária para aqueles que já estão ou estão a chegar na profissão, tendo em vista mudar o “fazer” jornalismo na internet passa por três pontos: ser, produzir e relacionar.

“Ser” diz respeito à compreensão do papel que o jornalista desempenha na sociedade, o de mediar e construir a esfera de visibilidade pública, bem como o poder que esta atividade possui (nenhuma novidade até aqui, mas ainda ouço coleguinhas de profissão afirmarem, por exemplo, que basta o controle remoto para democratizar a comunicação). “Produzir” implica conhecer as novas tecnologias como blogs, RSS, podcast, linguagens de programação, softwares de edição para elaboração de conteúdos multimídia (texto, som, vídeo). Por fim, e o mais importante, é o relacionamento com o público, isso porque o leitor não apenas está no controle e decide a forma que irá consumir as informações, como também anseia em participar da produção de conteúdo.

Sem querer me filiar aos apocalípticos, mas a cultura do “faça você mesmo!”, potencializada pela internet e a liberação do pólo emissor coloca na berlinda o papel do jornalista como mediador/tradutor da sociedade e suas complexidades. Entretanto, não pretendo afirmar: o jornalismo/jornalista entrará/ão em extinção, mas urge repensar o “relacionar”.

A mediação jornalística baseia-se em recortar fragmentos da “realidade” e apresentá-los aos receptores, em um sentido mais conectivo (realidade – público) do que dialógico. Essa mediação dialógica é a premissa essencial para o ciberjornalismo.

“(…) Parece fundamental que seus jornalistas desejem ser, antes de tudo, mediadores; que não se proponham à pretensão de preparar, manipular ou guiar as pessoas tampouco em “construir a verdade”, mas tenham como premissa encorajar o diálogo entre diferentes grupos sociais”. (BRAMBILLA, 2005, pg. 55).

A liberação do pólo emissor gerou uma plurivocalidade, que pode ser conceituada como “efeito conversacional”. Consequentemente, a esfera de visibilidade pública é ampliada, uma vez que surgem novas vozes e nos espaços para o debate. O professor Marcos Palacios acredita que este fenômeno cria novas oportunidades para o jornalista se “encaixar” no mercado, isso porque “o jornalista é um agente social e cria uma forma específica de informação organizada e, portanto, uma forma de conhecimento”.

Ana Brambilla diz que “o jornalista da web passa a ter como tarefa central juntar idéias e lhes dar um formato agradável à audiência. A integração de público e profissionais de imprensa desmitificaria o jornalista como um propagador de pontos de vistas soberanos instituindo-o como alguém que consolida uma informação que vem do público, a que se acrescenta a importância que o jornalista assume no estímulo à discussão pública de pautas com diferentes enfoques” (BRAMBILLA, 2005, p. 52).

Dessa forma, o jornalismo retorna a sua função clássica de propor temas à sociedade para discussão. A notícia deixa de ser um mero produto, para tornar-se ponto de partida para o debate público.

Estamos preparados para tal?

Anúncios

4 Respostas para “Ciranda de Texto: Mercado de Trabalho

  1. Pingback: II Ciranda de Textos - “Mercado de Trabalho” « Meio Digital

  2. Pingback: Ciranda de Texto debaterá Jornalismo e Interatividade « Herdeiro do Caos

  3. Pingback: Os jornais baianos já descobriram o twitter? « Herdeiro do Caos

  4. Pingback: Palestra da Lígia Braslauskas em Salvador « Herdeiro do Caos

Potencialize o diálogo. Comente!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s