Desafios para classe médica em tempo de Paciente Informado e Web 2.0

A internet provocou mudanças no relacionamento entre médicos e pacientes a partir do momento em que ampliou o leque de informação sobre doenças, tratamentos e medicamentos. Se por um lado, tais transformações exigem da classe médica maior interação com o paciente, cada vez mais informado, por outro, implica debater certificação e/ou credibilidade do conteúdo publicado no ciberespaço.

Primeiro é preciso destacar que a relação médico versus paciente é marcada pela autoridade científica e poder simbólico daquele que detém o conhecimento sob aquele que realiza uma consulta. Vale destacar que o conhecimento adquirido pelos profissionais na academia é elemento estruturante desta relação. Porém, a liberação do pólo emissor, impulsionada pela Web e novas tecnologias de informação e comunicação, potencializaram o acesso a informação e radicalizaram o ditado popular de que “de médico e louco, todo mundo tem um pouco”.

Basta uma busca no Google para encontrar solução caseira para curar um câncer até consulta online. Independente da credibilidade e exatidão da informação publicada, o paciente consulta o Dr. Google antes e após a consulta, implicando para o médico uma nova forma de se relacionar com o seu paciente.

http://blip.tv/play/AYGl_W4C

Para o pesquisador da Fiocruz, André Pereira, (video acima) o Paciente Informado promove um equilíbrio entre a relação médico versus paciente. Já para o vice-presidente da Federação Nacional dos Médicos (Fenam), Eduardo Santana, o médico que não estiver conectado às novas tecnologias, certamente, terá dificuldades em se relacionar com o Paciente Informado.

Para Claudio Freitas, professor e médico, gestor do projeto GDF em Brasília, um paciente informado significa também uma melhor consulta médica, tendo em vista que as consultas são cada vez mais rápidas e nem sempre o profissional consegue traduzir as especificações técnicas em uma linguagem acessível para o paciente.

Fernando Vogt, da InterSystems, destaca que a internet tem cumprido uma lacuna deixada pelos tradicionais médicos da família, que são cada vez mais raros. “O paciente busca informações no Dr. Google porque perdeu o contato com o médico”. Para ele, além de um paciente informado, é necessário que o profissional de saúde também tenha informações sobre seu paciente através de prontuários virtuais. “Antes do paciente informado é preciso ter a informação do paciente para que o acompanhamento seja contínuo”, defende Vogt.

Nesta seara de transformações, a sociedade e o mercado sinalizam para a classe médica novos desafios e a necessidade de um profissional cada vez mais “comunicativo”. “É preciso que o médico seja um agente da informação”, pontua o vice-presidente da Fenam, lembrando que “a qualidade do atendimento passa pela qualidade da linguagem”. Santana defende também a criação de uma rede para médicos, que ensinem os profissionais desde como “utilizar” a Internet até a produção de guias/cartilhas médicas digitais.

O jornalista e pesquisador de mídias sociais, Eduardo Pelosi, acredita que o aumento de informações publicadas no ciberespaço problematizam as “verdades” estabelecidas pelos manuais médicos. “Quando temos diversas opiniões sobre um mesmo fato é mais complicado encontrar a exatidão de qual remédio ou tratamento adequado”. Por isso, André Pereira, argumenta que diante de um “mar de informação”, o médico precisa construir “arcas” que facilitem a navegação do paciente neste universo médico. Afinal, a bula médica não ajuda nem aos pacientes e nem aos médicos.

Para o diretor executivo da agência Pólvora, Mário Soma, a classe médica deve se organizar e elaborar portais com informações sobre tratamentos, medicamentos e demais orientações que facilitem a vida dos pacientes. “Entretanto, não é apenas o conhecimento do profissional que deve ter validade. É preciso envolver médicos e pacientes que, de forma colaborativa, produzam essas informações”, frisa o vice-presidente da Fenam. O médico ortopedista, Carlos Andrade, vai mais além “temos que parar de jogar tudo nas mãos de nossas “sociedades” médicas. Isto só elitiza e cria feudos. Quanto mais informação melhor. Serve para os dois lados quando estes querem se ajudar”, polemiza.

Federação Nacional dos Médicos propõe certificação de conteúdo na Web

Diante da infinidade de textos sobre tratamento, sintomas e curas disponíveis na Web em qual confiar? Afinal, café faz bem ou mal a saúde? Estas e outras questões são rotineiras para os pacientes que buscam na internet orientações sobre saúde, mas a cada clique uma informação diferente, uma verdade diferente. O que tem credibilidade? O que é verdade, do ponto de vista médico? O que realmente vai aliviar essa dor de cabeça?

Dar respostas a estas questões é o objetivo da proposta da Federação Nacional dos Médicos em certificar os produtores de conteúdo e sites que abordem a temática médica na Web. A idéia ainda não esta finalizada em termos de execução, mas a necessidade foi defendida por médicos e pacientes durante uma mesa redonda realizada em Salvador na última quinta-feira (8).

Veja a explicação do Eduardo Santana sobre a certificação

http://blip.tv/play/AYGl_V4C

“Como abrir uma página da Web, sobre determinado assunto em saúde, e confiar no que se lê? Minha sugestão: um “selo” atestado por uma entidade médica informando: “Este é um site médico”, assim, quase explícito, defende Carlos Andrade.

O médico Eduardo Santana diz que a identificação elevaria a credibilidade destes conteúdos publicados na Web, além de garantir ao cidadão que aquilo que ele lê foi elaborado por um profissional e, portanto, apto para proferir tais orientações.

“Existe a necessidade de qualificar a informação encontrada via “dr. Google”.Mais importante do que encontrar a informação, é que esta informação seja verdadeira”, opina o professor de marketing digital, Eduardo Sales.

Para além de um serviço para o paciente, a grande questão para os profissionais da área de saúde é: ocupar espaço no ciberespaço antes que os “não-médicos”, munidos de técnicas SEO e soluções milagrosas dominem a Web. Para isso, enxergar a Internet apenas como um meio de transmitir informação é pueril. Vale lembrar que a Web, sobretudo é espaço para interação, logo é preciso que os médicos se preocupem com seus pacientes além do consultório, estejam nas redes sociais, mantenham blogs ou pelo menos entendam que o Dr. Google é um aliado para o exercício de uma medicina mais humana e eficiente.

Anúncios

6 Respostas para “Desafios para classe médica em tempo de Paciente Informado e Web 2.0

  1. Pingback: a medicina no olho do furacão da web « social media club

  2. Pingback: “O paciente busca informações no Dr. Google porque perdeu o contato com o médico” | Clínica de Dor - Blog do Dr. Marcelo Matos

  3. Pingback: Internet e Saúde: Você já usou o Dr. Google? - Sempre Divina!

Potencialize o diálogo. Comente!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s