Wiki-jornalismo: desafios e conceitos

No post anterior, comentei sobre o paper do professor Paul Bradshaw sobre o sistema wiki na atividade jornalística.

Bradshaw sinaliza cinco possibilidades de aplicar o modelo wiki na produção de conteúdo jornalístico:

a)     Leitores podem editar um texto produzido numa redação jornalística de profissionais;

b)     Edição conjunta de um material oferecido por diversas fontes;

c)     Leitores agregam informações a uma reportagem produzida por um repórter profissional, sem alterar o conteúdo original;

d)     Leitores e jornalistas profissionais publicam e editam material sem ordem e nem agenda pré-estabelecida;

      e)     Produção coletiva de reportagens por jornalistas pertencentes a uma mesma empresa ou redação.

Carlos Castilho chamou atenção em sua coluna semanal, no Observatório da Imprensa, que se o modelo wiki for apropriado por jornalistas e blogueiros:

“abre-se a possibilidade de mais uma grande mexida no conjunto de rotinas e valores da grande imprensa provocada pelas novas tecnologias surgidas na esteira do crescimento da internet”.

As possibilidades da participação dos usuários (co-autor) da notícia é fantástica, porém cabe lembrar que o jornalismo solidificou um campo social e o seu produto, a notícia, está estruturada em pilares históricos e que dificilmente serão alterados, ou seja a participação do público altera as rotinas de produção de conteúdo e não a concepção da atividade jornalística. Por exemplo, as experiências open-source contam com um corpo editorial, possuem diretrizes, regras…

Ana Brambilla sustenta que

tomar o conceito open source ou wiki ao pé da letra e aplicá-lo a um conteúdo editorial é o mesmo que matar o jornalismo.

Não trata-se aqui apenas de garantir ou não a vida do campo social jornalístico, mas a própria notícia. Brambilla argumenta:

(…) Outro aspecto que diferencia substancialmente o jornalismo da engenharia de software é o caráter beta no qual um programa de computador pode amparar-se na justificativa de que ainda não está completamente pronto ou possui erros aceitáveis. Uma notícia, porém, jamais será beta. Uma vez publicada, a notícia ganha reconhecimento público e influencia no curso da sociedade, muitas vezes, de modo irreversível. Isso significa: ainda que os erros na notícia em jornalismo open source sejam como os bugs no que toca à fácil correção, a justificativa de um erro não é tão facilmente aceita na notícia como no software.”

Por fim, os pontos a, b e c, do professor Bradshaw aponta para uma co-autoria (jornalista x usuários) na produção de conteúdo. Ou como diria Gillmor “o jornalismo deixa de ser uma palestra para torna-se um conversa”.

O tópico d, parece-me impossível em um veículo diário, lembrem-se do dead line. Já o tópico e, diz respeito a convergência, trabalho em equipe…ora isso já existe nos mass media. Penso que não seja nada “modelo wiki”.

 

 

Anúncios

7 Respostas para “Wiki-jornalismo: desafios e conceitos

  1. Pingback: Galileu aborda jornalismo colaborativo « Herdeiro do Caos

  2. Pingback: Vídeo do JOMEC « Herdeiro do Caos

  3. Pingback: BBC News investe na interatividade « Herdeiro do Caos

  4. Pingback: G1 destaca interatividade como marca « Herdeiro do Caos

  5. Pingback: O wikijornalismo e a transparência on-line « Webmanário

Potencialize o diálogo. Comente!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s